There are no ads, please add some

Vasco Cordeiro afirma que o tempo é de respostas para as Regiões Ultraperiféricas

O Presidente do Governo dos Açores afirmou hoje, em Bruxelas, que este é o tempo da União Europeia avançar com respostas para as Regiões Ultraperiféricas (RUP), nomeadamente sobre o futuro da Política de Coesão, que considerou ser “um dos pilares fundamentais do projeto europeu”, e sobre as medidas e projetos que pretende implementar relativamente a estas regiões.

“Estamos aqui por causa de respostas”, frisou Vasco Cordeiro na sessão de abertura do 4.º Fórum das RUP, acrescentando que as regiões ultraperiféricas estão disponíveis para ajudar a construir essas respostas, para que sejam “mais assertivas, mais eficazes, mais focadas, se para isso aceitarem a nossa participação”.

“No final deste Fórum, não podemos ficar sem uma resposta quanto à questão de saber com que medidas, com que políticas e com que projetos pretende a Comissão Europeia avançar quanto às regiões ultraperiféricas”, afirmou Vasco Cordeiro, alertando para o risco de este encontro, se não surgirem as respostas necessárias, poder ser “um evento em que a história passa ao lado, um momento em que nos perdemos na árvore e descuramos a floresta”.

Na sua intervenção neste encontro que reúne representantes políticos e da sociedade civil das nove regiões ultraperiféricas, Vasco Cordeiro frisou que a Comissão Europeia “conhece” os desafios com que se defrontam estas regiões, pelo que agora é chegada a hora da dar respostas para vencer os desafios em áreas como a agricultura ou as pescas.

Vasco Cordeiro questionou por que razão o Relatório da Comissão Europeia de avaliação do POSEI, de dezembro de 2016, “reconhece que este é um instrumento que tem capacidade de tratar os desafios agrícolas particulares nas suas implicações com as situações geográficas das regiões ultraperiféricas, mas, ao mesmo tempo, falha ao não se pronunciar sobre a escassez dos meios financeiros desse programa face a situações anómalas, como é o caso daquele que vive o setor leiteiro nos Açores”.

“Sobretudo quando esses efeitos se devem em parte a uma política de desregulação decidida pela própria EU”, acrescentou.

Por outro lado, questionou a razão pela qual “um pescador se há-de guiar por regras decididas à distância, em Bruxelas, que ele próprio vê que elas parecem contrariar aquilo que dizem defender, por desconhecimento, por distanciamento ou por alheamento”.

“Que resposta damos a um empresário que sente que políticas como a da concorrência não se adequa, nem na sua génese, nem nos seus instrumentos, nem, muito menos, nos seus efeitos, a economias pequenas, isoladas e dispersas como são, na maioria dos casos, as das regiões ultraperiféricas? Ou que a política de transportes não permite fazer o que é essencial, ou seja, ligar o seu território a outros que são essenciais para potenciar as exportações?”, interrogou o Presidente do Governo dos Açores.

“Face a todas estas perguntas e à necessidade de respostas, queremos que o nosso trabalho e esforço, que consta do Memorando que pretendemos entregar à Comissão, a possa inspirar na construção, connosco, de uma estratégia ambiciosa para as regiões ultraperiféricas e das respostas que todos esperam”, afirmou.

Para Vasco Cordeiro, esta estratégia deve marcar “o início de um período de reflexão, de diálogo e de trabalho para a programação futura, desde logo pós 2020, que conduza as RUP a um círculo virtuoso de desenvolvimento, alicerçado numa abordagem inovadora em setores como a agricultura, o ambiente, os auxílios de Estado, a coesão económica, social e territorial, o emprego, a formação, a mobilidade, a investigação, a pesca, o mar ou os transportes”.

“Da minha parte, da parte da Região Autónoma dos Açores, estamos prontos para, com total empenho e determinação, fazermos a nossa parte para que a União Europeia possa ser um cada vez melhor projeto de vivência coletiva com resultados concretos em benefício também dos cidadãos das nossas regiões”, assegurou Vasco Cordeiro.

About The Author

Related posts