There are no ads, please add some

“Queremos projetar o Faial no mundo”, afirma José Leonardo Silva

“Pela beleza das nossas paisagens, pela qualidade ambiental que temos, pela tranquilidade e segurança que nos são características e pela forma como nos preocupamos com o nosso futuro, um futuro que se quer sustentável, mas que corresponda aos necessários anseios de uma cidade moderna e cosmopolita, o concelho da Horta é um dos concelhos mais procurados pelos estrangeiros para fixar residência”, afirmou José Leonardo Silva, no dia em que a Horta comemorou 185 anos de elevação de Vila a Cidade.

Na sessão solene que decorreu nos Paços do Município, o presidente do CMH destacou o facto da Horta ser o Município mais Azul da Região Autónoma dos Açores, “somos porque construímos, somos porque trabalhámos por isso e esta realidade não nos faz sossegar.”

O autarca entende que projetar uma cidade e um concelho moderno, no centro da Europa, é estar consciente dos desafios que se colocam, nomeadamente no que às acessibilidades diz respeito, “desafios que nos devem unir e não servir de bandeira para outras causas, que não a causa do Faial e dos faialenses”, frisou.

“Hoje, nos 185 anos de cidade, estamos a recolocar objetivos novos ao desenvolvimento da ilha do Faial. Estamos a criar condições para nos fortalecermos em muitas áreas, como por exemplo, na área empresarial, com a reabertura, ainda este ano, do Centro de Acolhimento Empresarial, com a conclusão do novo matadouro da ilha do Faial, que abre as suas portas fruto de uma parceria entre a Câmara Municipal e o Governo Regional, em terrenos da autarquia que projetam aquela relevante infraestrutura e, ainda, com o lançamento, em breve, da obra do novo quartel de bombeiros, onde novamente quisemos estar presentes na construção desta solução, tendo já sido assinado um protocolo com a Associação no valor de 170 mil euros para esse fim”, afirmou José Leonardo Silva.

O presidente do Município que agora comemorou o seu 185.º aniversário falou ainda na revisão ao Plano de Urbanização e PDM da ilha como uma ferramenta “para potenciar, ainda mais, o nosso crescimento económico enquanto segunda ilha dos Açores com maior nível de poder de compra per capita.”

“Hoje, são cerca de uma centena as instituições que querem ser nossas parceiras, que confiam no nosso trabalho, que valorizam a nossa terra e que contribuem para um Faial de futuro. É com elas que estamos a dar resposta aos desafios do presente e a projetar o futuro. Um futuro que passa, inevitavelmente, por um aumento do fluxo do turismo, a que gradualmente já vimos assistindo”, sublinhou José Leonardo Silva.

As freguesias e o seu papel enquanto parceiras da CMH, foi outro dos pontos abordados no seu discurso, “numa terra com a dimensão da nossa, falar de cidade é falar da ilha com tanto para oferecer, com freguesias que são verdadeiros paraísos de tranquilidade e que são parceiros inestimáveis da Câmara Municipal”.

“Há muito que temos descentralizado a nossa ação pelas nossas freguesias e hoje, o projeto Presentes no Concelho não passa despercebido a ninguém. Os desafios estão já em encontrar formas para alargar este projeto, cada vez mais, dentro dos limites dos nossos recursos humanos e materiais”, disse.

José Leonardo Silva referiu-se ainda aos desafios que se colocam ao Poder Local na atualidade, “acredito que o FAM deve e repensado, quiçá até transformado num fundo de investimento acessível a todas as autarquias e não apenas às que se encontram em desequilíbrio, aproveitando para novos investimentos em tantas áreas necessárias, como por exemplo, o ambiente, a ação social ou até mesmo as estradas, dado que nos retiraram, em fundos comunitários, essa fonte de financiamento.”

Foram 17 as distinções que o Município da Horta atribuiu no dia em que comemorou os 185 anos de elevação da Horta de Vila a Cidade, por terem contribuído para o seu concelho, através do seu percurso pessoal, profissional e de vida associativa.

CMH/Rádio Faial | Foto: CMH

About The Author

Related posts