There are no ads, please add some

Obras de reordenamento do porto projetadas “nas costas dos Faialenses”

Foi com a convicção de que as obras da 2ª fase de reordenamento do porto da Horta estão a ser projetadas nas “costas dos Faialenses”, sem o seu conhecimento e sem a sua envolvência, que a candidatura do PSD pela ilha do Faial saiu ontem de várias reuniões que manteve com diversos setores que exercem a sua atividade no porto da Horta, nomeadamente com o Clube Naval da Horta, APASA (Associação de Produtores de Atum e Similares dos Açores) e APEDA (Associação de Produtores de Espécies Demersais dos Açores).

Carlos Ferreira, cabeça de lista do PSD pela ilha do Faial manifestou a sua surpresa e “preocupação face ao desconhecimento transmitido pelos diversos interlocutores ligados ao mar e ao porto, sobre o projeto destas obras”; ninguém conhece como, quando e o que vai ser feito.

O candidato acrescentou que é “fundamental ouvir os profissionais da área e as estruturas representativas, para que não se repitam os mesmos erros cometidos no molhe norte do porto, levando a que se tenha hoje uma boa gare e um mau cais, que não serve o seu principal objetivo: acolher navios de cruzeiro de grande dimensão”.

Relativamente à 2ª fase de reordenamento do porto, Carlos Ferreira, relembrou que “o investimento estava prometido para a legislatura que agora termina, tendo sido previstos 12,8 milhões de euros, sem que os mesmos tenham sido aqui aplicados, como tem acontecido frequentemente no Faial”.

O candidato declarou que é fundamental que “o projeto contemple a melhoria do núcleo de pescas, para dar melhores condições aos pescadores; a ampliação da marina; a reconfiguração e ampliação das instalações do Clube Naval da Horta; a criação de melhores condições para as empresas marítimo-turísticas e a criação de infraestruturas adequadas para reparação e manutenção naval”, que permitam dotar o nosso porto de uma zona de invernagem.

Para Carlos Ferreira estas medidas são necessárias para concretizar na prática a Horta como Capital do Mar e concluiu que “não nos podemos conformar relativamente ao reordenamento do porto, temos que nos unir e exigir um projeto que corresponda às necessidades do Faial”.

Texto/Foto: GI-PSD/Faial | Rádio Faial

About The Author

Related posts