There are no ads, please add some

Município da Horta distinguido com Menção Honrosa “Viver em Igualdade”

A Câmara Municipal da Horta vai ser distinguida hoje, em Lisboa, com a Menção Honrosa “Viver em Igualdade”.

A informação foi transmitida, na passada sexta-feira, pelo Presidente da autarquia faialense, José Leonardo, por ocasião das comemorações do Dia Municipal para Igualdade na ilha do Faial.

O Prémio é uma iniciativa bienal, promovida pela Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género (CIG), que visa distinguir Municípios com boas práticas na integração da dimensão da Igualdade de Género, Cidadania e Não-Discriminação, quer na sua organização, quer nas atividades por si desenvolvidas.

Na ocasião, o Presidente da Câmara sublinhou o trabalho que tem vindo a ser desenvolvido pela autarquia neste âmbito, sublinhando que todos os atores sociais devem trabalhar diariamente para promover cada vez mais a igualdade entre todas as pessoas.

José Leonardo lembrou que a autarquia da Horta foi a primeira dos Açores a concluir o seu Plano Municipal para Igualdade, Cidadania e Não Discriminação e a fazê-lo sem descurar todas as fases necessárias à criação de um Plano Municipal, pelo que a primeira medida, depois do protocolo assinado com a Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género e a constituição de uma equipa interna de trabalho na autarquia, foi a de avançar com um diagnóstico interno, construindo as bases para o diagnóstico externo de base concelhia e para a instituição, em 2014, do Dia Municipal que contribui fortemente para a divulgação e discussão em torno deste tema”, sublinhou.

O edil referiu que os objetivos nele propostos têm um horizonte bianual, um período durante o qual será certamente monitorizado e avaliado para que possa ir ao encontro da realidade, permitindo que, no futuro, possam ser encontradas e trabalhadas novas estratégias para as dificuldades que, entretanto surjam, dando, desta forma, resposta contínua ao desafio por uma sociedade cada vez mais inclusiva e valorizadora do potencial humano que caminha, lado a lado, com uma política de incentivo ao empreendedorismo e à competitividade, onde predomine maior justiça social.

“Ao longo deste caminho, julgo que os últimos anos têm também permitido deitar por terra alguns preconceitos na hora de discutir a igualdade de género e de oportunidades, fugindo da tendência de análise do problema apenas focado no género feminino, mas o encarando em relação ao ser humano e a outras dimensões da vida social como o trabalho, a formação, a política, entre outros”, afirmou José Leonardo, para quem as próprias movimentações sociais em curso exigem, não só da parte de todas e de todos nós, mas também dos Municípios, medidas urgentes de proteção das pessoas mais vulneráveis e frágeis, pelo que a própria legislação considera essa necessidade e essa relação de proximidade do poder local às suas populações, ao alargar esta área de competência e de trabalho no próprio Regime Jurídico das Autarquias Locais”, concluiu.

Texto/Foto: GI-CMH | Rádio Faial

About The Author

Related posts