There are no ads, please add some

CGTP diz que nove em cada 10 novos contratos nos Açores são precários

Nove em cada 10 novos contratos de trabalho nos Açores são precários, denunciou hoje a CGTP-IN/Açores, reivindicando a alteração da legislação para combater o uso abusivo de contratos com termo.

“Nos contratos que se fazem atualmente na região, em cada 10, nove são contratos precários”, avançou, em declarações à Lusa, o coordenador da CGTP-IN/Açores, João Decq-Mota, acrescentando que no caso das mulheres só “um em cada 20” contratos efetuados são sem termo.

A delegação regional da Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses (CGTP) apresentou hoje, numa conferência de imprensa em Ponta Delgada, um conjunto de reivindicações com vista ao combate à precariedade.

Segundo João Decq-Mota, a “abundância de programas ocupacionais” nos Açores tem contribuído para um aumento da precariedade, que se registou sobretudo nos setores “do turismo e da construção civil”.

“O que se está a passar hoje em dia é que um trabalhador ocupa vários postos de trabalho. Há uma sobrecarga muito grande para os trabalhadores. Fazem o que correspondia a diversos postos de trabalho, mas não são compensados por isso. Estão na generalidade a ganhar o salário mínimo”, frisou.

O sindicalista defendeu uma alteração da legislação, que incentive as empresas a fazer contratos sem termo, acrescentando que o Governo Regional “não se pode dissociar destas situações” e recomendar apenas diálogo entre os parceiros sociais.

“Bastava criar-se uma legislação que obrigasse a que as empresas para concorrerem aos subsídios regionais e europeus tivessem pelo menos 75% dos trabalhadores necessários para o seu funcionamento no quadro”, sugeriu.

No comunicado, apresentado hoje, a CGTP-IN/Açores reivindica ainda o aumento dos salários, do complemento regional ao salário mínimo nacional, da remuneração complementar para os trabalhadores da administração regional e dos apoios sociais.

A central sindical propõe a criação de um “plano regional de combate ao trabalho precário”, que incorpore “a passagem a efetivos dos trabalhadores que ocupam postos de trabalho de natureza permanente” e a revogação das “normas mais gravosas” da legislação laboral.

Outra das reivindicações é a dotação de “meios humanos e materiais adequados para uma intervenção célere e eficaz” na Inspeção Regional do Trabalho (IRT) e na Comissão Regional para a Igualdade no Trabalho e no Emprego (CRITE).

A CGTP-IN/Açores reclama ainda uma “reorientação das políticas ativas de emprego, para apoiar as micro, pequenas e médias empresas de modo a que contribuam para a criação líquida de emprego estável, seguro e com direitos” e o “respeito pela articulação da vida profissional com a vida pessoal e familiar dos trabalhadores”.

Lusa/Rádio Faial | Foto: CGTP

About The Author

Related posts