There are no ads, please add some

“Câmara da Horta defende “desde a primeira hora” o aumento da pista do Aeroporto da Horta e melhoria da operacionalidade da SATA”, afirma José Leonardo

O Presidente da Câmara Municipal da Horta afirmou, esta quinta-feira, em reunião ordinária daquele orgão, que a autarquia faialense tem estado, desde a primeira hora, na defesa da ampliação da pista do Aeroporto, da implementação do Projeto RISE e na consequente melhoria da operação da SATA Internacional/Azores Airlines no Aeroporto faialense nomeadamente desde o momento em que esta companhia começou, sozinha, a assegurar as ligações com Lisboa no âmbito das novas obrigações de serviço público.

De acordo com José Leonardo Silva, a 8 de dezembro de 2011 a Câmara Municipal aprovou um Voto de Protesto contra o cancelamento do investimento na ampliação da pista do Aeroporto da Horta, anunciado pelo então Ministro da Economia do Governo do PSD/CDS-PP, demitindo-se das suas responsabilidades.

A 23 de janeiro de 2014, foi aprovado um Voto de Recomendação à ANA-Aeroportos de Portugal, SA para que incluísse a ampliação da pista do Aeroporto da Horta no Plano Estratégico da empresa para o período 2013-2017, melhorando as condições de operacionalidade e aumentando as margens de segurança.

Segundo o Presidente da Câmara Municipal da Horta, em outubro de 2014, aquando da visita do então Primeiro-Ministro de Portugal, Pedro Passos Coelho, à ilha do Faial e aos Paços do Município, desafiou “olhos nos olhos” o então Chefe de Governo para avançar com investimento de ampliação da pista do Aeroporto da Horta mostrando que esta obra não é um capricho dos faialenses mas sim um investimento estrutural para o crescimento turístico e económico dos Açores, sendo que, nesse mesmo dia, Passos Coelho transmitia aos faialenses que o investimento no Aeroporto da Horta não era prioritário.

Já em março de 2015, na sequência de uma reunião com o Presidente do Conselho de Administração da SATA, a Câmara Municipal da Horta juntamente com a Câmara do Comércio e Indústria da Horta, manifestou, publicamente, a sua preocupação pela redução do número de frequências nas ligações do Faial com Lisboa devido ao abandono da rota por parte da TAP e à entrada da SATA na exploração da rota, no âmbito das novas obrigações de serviço público.

Na altura, refere José Leonardo, “remetemos um memorando à SATA contendo preocupações e exigências importantes para a ilha, entre as quais as relacionadas com o transporte de carga, que afeta sobretudo os empresários e a exportação e produtos, tendo sido garantido que os valores atualmente disponibilizados se irão manter, sendo analisada a possibilidade de aumento de carga por passageiro.
“Manifestámos, igualmente, a nossa preocupação pela continuidade do projeto RISE, que tem atualmente a TAP como parceiro e o Aeroporto da Horta como plataforma de testes, garantindo a SATA total abertura para analisar com a TAP a possibilidade de transferência de parceiro, situação que pretendemos acompanhar de perto, dado o impacto positivo deste projeto para a operacionalidade e segurança do nosso aeroporto”, acrescentou o Presidente da Câmara Municipal da Horta.

O autarca refere que em abril de 2015, a Câmara Municipal chamou os empresários do setor do turismo para, conjuntamente, manifestarem a sua insatisfação com a qualidade do serviço prestado pela transportadora aérea regional, no âmbito das novas obrigações de serviço público.

“Na ocasião, solicitámos à SATA para responder claramente às nossas preocupações, ou seja, se tem ou não condições de fazer este serviço e se no Verão tem capacidade de nos dar a resposta adequada”, frisou José Leonardo.

O líder do executivo camarário elogiou os faialenses que, de forma “espontânea, participativa e sem compactuar com aproveitamentos político-partidários”, marcaram presença, ontem, na manifestação junto ao Parlamento Regional para defenderem a sua terra e, neste caso em particular, o Aeroporto da Horta.

O autarca lembra que a Câmara Municipal da Horta sempre esteve ao lado dos faialenses nesta luta pela ampliação da pista do Aeroporto da Horta, pela manutenção das 14 ligações semanais com Lisboa, pela implementação do projeto RISE – que dará um importante contributo na melhoria da operacionalidade do Aeroporto -, pela criação de condições para que se realizem vôos charter para o Aeroporto da Horta, lamentando que quando o Governo da República do PSD e CDS-PP privatizou a ANA-Aeroportos não tenha incluído no caderno de encargos da privatização da empresa a ampliação da pista do Aeroporto da Horta”, frisou, sublinhando que exatamente o mesmo aconteceu quando privatizaram a TAP e não asseguraram que aquela companhia aérea continuasse a voar para a ilha do Faial”.

Leonardo salientou ainda que a Câmara Municipal da Horta “defendeu sempre a ampliação da pista do Aeroporto da Horta independentemente do partido que liderava ou lidera o Governo da República”.

“Os verdadeiros responsáveis por esta realidade não podem agora mudar a história e ainda fazer aproveitamento político-partidário dizendo que os responsáveis foram os que desde a primeira hora defenderam o Faial nesta questão”, concluiu.

Texto/Foto: GI-CMH | Rádio Faial

About The Author

Related posts