There are no ads, please add some

Apresentadas três propostas para construção de “ferry” para 650 passageiros e 150 viaturas

O concurso para a conceção e construção de um navio de passageiros, com capacidade para 650 passageiros e 150 viaturas, nos Açores, contou com três propostas, divulgou hoje o Governo Regional.

“O ato público de abertura das propostas apresentadas no âmbito do concurso limitado por prévia qualificação para a construção de um navio ‘ro-ro’ [roll-on/roll-off] para a Região Autónoma dos Açores, com capacidade para 650 passageiros e 150 viaturas, foi realizado hoje”, adiantou o executivo açoriano, numa nota no Gabinete de Apoio à Comunicação Social.

As propostas apresentadas partiram das empresas “Astilleros Armon, S.A., com um preço de 47,5 milhões de euros, Hijos de J. Barreras, com um preço de 59 milhões de euros, e Amedeo Resources PLC e Taizhou Kouan Shipbuilding CO Ltd, em agrupamento, com um preço de 43,5 milhões de euros”.

Segundo o Governo Regional, “segue-se agora a fase de análise e avaliação das propostas, de acordo com o exigido no programa de concurso e no caderno de encargos”, sendo depois emitido um relatório preliminar e concedido um prazo de audiência prévia aos concorrentes.

Só depois será emitido um relatório final para decisão da secretária regional dos Transportes e Obras Públicas.

O caderno de encargos prevê que o prazo de entrega do navio seja, no máximo, de 580 dias.

O júri do concurso é presidido por José Manuel Monteiro da Silva, Juiz Conselheiro do Tribunal de Contas.

O executivo açoriano autorizou o lançamento de um concurso para a conceção e construção de um navio com capacidade para 650 pessoas e 150 viaturas, com preço-base de 48 milhões de euros, em outubro de 2017, numa reunião do Conselho de Governo, nas Velas, em São Jorge.

Na altura, o secretário regional Adjunto da Presidência para os Assuntos Parlamentares, Berto Messias, disse que o navio se destinava a assegurar o serviço de transporte marítimo de passageiros, viaturas e carga rodada no arquipélago.

O Governo Regional anunciou em novembro de 2013 que iria encomendar a construção de dois novos barcos para transporte de passageiros e viaturas entre as ilhas do arquipélago, mas, segundo Berto Messias, o segundo navio só avançará quando existirem “condições para que isso aconteça”.

“Face ao volume da despesa de investimento envolvido, foi decidido avançar já com a construção do primeiro de dois navios, adequados, assim, à prestação deste serviço, no âmbito do atual período de programação da política europeia de coesão 2014-2020, tal como consta, aliás, das Orientações de Médio Prazo já aprovadas entre 2017/2020” do Governo Regional, frisou, na altura, o secretário regional adjunto.

Atualmente, o transporte de passageiros e viaturas nos Açores na época alta é assegurado por dois navios fretados pela empresa pública Atlânticoline, sendo as ligações anuais entre as ilhas do Triângulo (São Jorge, Pico e Faial) efetuadas pelo navio “Gilberto Mariano” e pelos navios “Cruzeiro do Canal” e “Cruzeiro das Ilhas” (construídos na década de 1980), na sequência do encalhe do navio “Mestre Simão”, em janeiro.

Lusa/Rádio Faial | Foto: Direitos Reservados

About The Author

Related posts